• Ícone Instagram
Instagram
  • Branco Facebook Ícone
Facebook

© 2018 SINDIVESTE - SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DO VESTUÁRIO DO DF

Business Of Fashion elege as 10 personalidades mais poderosas da moda. Virgil Abloh e François-Henri Pinault estão entre os designers selecionados

04/09/2018

O Business of Fashion, principal mídia especializada em negócios da moda do globo, divulgou nesta terça-feira, 4, os nomes mais marcantes da moda em 2018. Anualmente, a mídia separa os eleitos em quatro categorias e não é surpresa para ninguém que alguns nomes estejam na lista. É o caso do fenômeno Virgil Abloh. 

 

O pioneiro – François-Henri Pinault

 

Consagrado por redefinir a visibilidade e os lucros de grandes grifes do universo fashion. Chairman e CEO da gigante francesa especializada em artigos de luxo Kering, Pinault foi responsável pelo crescimento espetacular da Gucci, Saint Laurent e Balenciaga. "O pioneiro" apostou em novos diretores-criativos e desenvolveu um ambiente de igualdade entre gêneros no trabalho. Merecido!

 

O perturbador – Virgil Abloh

 

Ao citar o nome de alguns designers contemporâneos, não há como deixar de fora o ícone Virgil Abloh. Sem dúvida, 2018 é o ano dele. Em março, Abloh foi nomeado para a direção-criativa da Louis Vuitton Homme –linha masculina da label. Já em seu début à frente da maison francesa, ele foi aplaudido de pé pelos invitados. Desde de apareceu no segmento fashion, o estilista e suas criações atraíram a atenção de celebs, influencers e, principalmente, da elite da moda. Além da LV, Abloh também comanda a sua própria grife, a Off-White. A etiqueta é sucesso no streetwear de luxo. Bravo!

 

O futuro – Yara Shahidi

 

Depois de ficar famosa por interpretar a personagem Zoey Johnson na série Black-ish, a atriz norte-americana foi elogiada por outras mulheres poderosas, como Michelle Obama e Oprah Winfrey – ícones da representatividade da mulher negra em diversos espaços. Segundo o BOF, a jovem de apenas 18 anos é o nome da vez. Estamos de olho!

 

A ativista – Kalpona Akter

 

Aos 12 anos, Kalpona teve que começar a trabalhar em uma fábrica da indústria têxil, em Bangladesh. Por isso, ela acabou se tornando uma ativista pelos direitos dos trabalhadores do mercado da moda na Índia. Hoje, a personalidade luta contra a desigualdade salarial, a falta da segurança e estabilidade nos empregos oferecidos no país. Guerreira!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square