Viva o (novo) minimal! Ucha Meirelles fala sobre a tendência do japonismo

O japonismo é só um dos capítulos da moda de uma nação que não para de se reinventar. Aqui, os novos estilistas influenciados pela corrente que estão fazendo sucesso por lá.
 

 

A influência japonesa na moda ocidental surgiu em 1980 com o japonismo, movimento que teve entre seus ícones estilistas como Yohji Yamamoto, Rei Kawakubo e Issey Miyake. Com peças oversized, tecidos vanguardistas e shapes assexuados, estas criações se tornaram desejo pelo mundo afora.

 

 

 

 

 

 

Hoje, além dessa vertente, sempre revisitada por criadores de todo o planeta, novos nomes e trabalhos se destacam. A designer Sudo Reiko é um desses exemplos. Foi assistente de pesquisa na Musashino Art University, uma das universidades de moda mais famosas do Japão, e fundou a Nuno, marca que oferece bolsas e lenços plissados com origamis incríveis. Tsumori Chisato – assistente de Issey Miyake em 1977 – abriu sua própria grife em 1990 e é outro designer de projeção. Adoro sua estética divertida e colorida, sempre utilizando cores contrastantes, misturando traços de mangá com uma estética boêmia.

 

 

 

 

 

 

 

Estabelecer conceitos sólidos por trás de cada look é outro fator comum entre os novos criadores japoneses. O da designer Niime Tamaki, outro nome de destaque nesse cenário, é ter como preceito a preocupação integral com produção das peças, ou seja, desde o cultivo do algodão, que é orgânico, até o produto final. O motociclista Shinsuke Takizawa, fundador e diretor criativo da Neighborhood, é outro nome importante nessa estética. Sua grife de streetwear, hype muito além do oriente, é célebre por seus jeans e jaquetas bikers.

 

 

 

 

 

Por aqui, os estilistas nipo-brasileiros também vivem em ebulição criativa. Durante a última SPFW, Fernanda Yamamoto fez um movimento emocionante. Convocou mulheres de diferentes gerações, da comunidade agrícola Yuba, de Mirandópolis, interior de São Paulo, para seu verão 2019 (leia mais sobre na reportagem da página 34). A Japan House é outro marco no país. Grifes como Comme des Garçons, Beams Japan e Hiroko Takahashi podem ser encontradas por ali e nos levam a uma completa imersão a esse universo.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • Ícone Instagram
Instagram
  • Branco Facebook Ícone
Facebook

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DO VESTUÁRIO DO DF 

(61) 3234-0414

SIA trecho 04, lote 1130

Edifício SENAP I (Cobertura)

Guará - Brasília /DF     Cep: 71200040 

© 2018 SINDIVESTE - SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DO VESTUÁRIO DO DF